Eu saudável Helena Santos

7 razões para não usar açúcar branco



Ter uma alimentação "sem açúcar branco” inclui não o adicionarmos em nenhuma situação e eliminarmos produtos industrializados que tenham açúcar branco adicionado.

A utilização de adoçantes artificiais (saiba mais) deve ser também evitada (saiba mais) e a utilização de adoçantes naturais deixada para uma sobremesa para um dia especial (saiba mais).

Claro que o que prejudica é o excesso, mas havendo algumas opções substitutas (saiba mais), não há razões para se utilizar açúcar branco.

Muito pelo contrário:

Só fornece calorias

Açúcar branco é sacarose que é constituída por frutose + glicose. Não fornece vitaminas e minerais e ainda nos fornece frutose que será metabolizada no fígado e cujo excesso  causa muitas alterações no metabolismo.

Os produtos que normalmente contém açúcar adicionado não têm também por si só, qualquer interesse nutricional (refrigerantes, bolachas, cereais de pequeno-almoço, bolos,…) Ao comer estes alimentos, não está a comer outros que teriam muito maior valor nutricional.

Leva à produção de gordura

A frutose ajuda a repor as reservas de glicogénio no fígado, mas quando não temos as reservas diminuídas (porque não praticamos exercício suficiente por exemplo), a frutose vai ser transformada em gordura.

Pode surgir então o chamado "fígado gordo e/ ou a gordura vai acumulando também no resto do corpo, levando a obesidade, colesterol e triglicerídeos elevados e doenças cardiovasculares.

Causa resistência à insulina e diabetes

O excesso de açúcar torna o organismo incapaz de responder de forma eficiente à libertação de insulina (saiba mais). É como se, já não entendesse a mensagem que a insulina quer transmitir (guardar açúcar nas células), por estar constantemente a ouvir essa mensagem (porque passamos o dia todo a comer alimentos com açúcar adicionado).

Depois da resistência à insulina surge diabetes tipo 2 e durante este processo pode também surgir obesidade.

Não é saciante e é viciante

Os produtos com muito açúcar não são saciantes. Desregulam mecanismos de saciedade e activam sistemas de recompensa que nos fazem querer mais e mais. Por isso é que normalmente é difícil de comer "só um bocadinho” e se pode dizer que o açúcar é viciante.

A libertação de dopamina que o consumo de açúcar induz, faz-nos sentir bem e muitas serves serve de escape para situações com as quais não estamos a saber lidar. Obviamente que outras soluções para os nossos problemas têm de ser encontradas, o açúcar não vai resolver nada.

Descontrola o apetite por alteração da leptina

A leptina (saiba mais) é uma hormona libertada pelas células de gordura que se estivesse a funcionar correctamente avisava-nos de que temos gordura suficiente e por isso não precisamos de comer muito. Mas a verdade é que muitos são os que cada vez ficam mais "gordinhos” e isso é sinal de que a função da leptina não está a ser cumprida.

Isto acontece, entre outras causas (saiba mais), porque o consumo de açúcar liberta insulina e leve à produção de triglicerídeos, que bloqueiam o efeito da leptina.

Não basta ter força de vontade quando hormonas e neurotransmissores estão alterados (saiba mais).

Piora a saúde em termos gerais, de forma intensa

A prova mais recente de que isso acontece, foi um estudo publicado pela revista Obesity abstract que mostrou que manter o aporte calórico mas eliminar o açúcar da alimentação de crianças, fez melhorar em apenas 10 dias (e sem alterações no peso das crianças) parâmetros como pressão arterial, colesterol, triglicerídeos, resistência à insulina.

Não deixe que o açúcar comande a sua vida e a sua saúde

Experimente 2 semanas sem nenhum açúcar de adição (saiba mais),  use fruta para adoçar, coma chocolate preto e vai ver como se vai sentir em todos os aspectos, melhor!

A boa notícia: há uma série de alimentos (saiba mais) que pode e deve comer sem problema: (saiba mais)  frutas, legumes, cereais integrais, leguminosas, oleaginosas.



EsmeraldAzul – para uma vida saudável, consciente e sustentável. 


0 comentários

Entrar

Deixe o seu comentário

em resposta a