Animais e companhia Maria João Baldaia

A importância da alimentação na saúde dos animais

O provérbio popular já o diz: "Pela boca morre o peixe”. Mas poderia também dizer "o cão, o gato, o cavalo, a vaca, ...".
À semelhança do que acontece connosco, a alimentação é algo que ocorre diariamente na vida dos animais, que se pretende que atue como um fator de proteção da saúde, mas que infelizmente nem sempre assim acontece, podendo em alguns casos pelo contrário, predispor para um conjunto de doenças.

A alimentação deve permitir que o animal obtenha nutrientes em quantidade e qualidade, de forma adequada ao seu estado fisiológico, permitindo-lhe assegurar a sua sobrevivência, o seu estado de saúde e a sua qualidade de vida.


Como poderemos suspeitar de um problema relacionado com a alimentação? E o que poderemos fazer?

A obesidade e a magreza:

A alimentação equilibrada de um animal permite-lhe manter adequadamente a sua condição corporal, em que o seu peso não é superior, nem inferior ao adequado à sua espécie, raça, idade e condição fisiológica. As carências e os excessos alimentares influenciam vários aspetos fisiológicos nos animais, por exemplo, a magreza extrema de origem alimentar deprime o sistema imunitário, a obesidade provoca um estado pró-inflamatório e predispõe para patologias metabólicas particularmente preocupantes nos cães, gatos  e equinos.

A magreza e a obesidade quando descontroladas podem ter repercussões tão graves como a morte do animal.

É necessário confirmar que o peso do nosso animal está adequado para a sua espécie, raça, idade e estado fisiológico. Igualmente necessário é selecionar uma dieta adequada e cumprir as quantidades recomendadas. Nos obesos é particularmente importante favorecer o exercício regular e gradual, permitindo que o animal se adapte ao exercício!

 

Os transtornos digestivos:

O vómito e a diarreia são dois sinais que podem ocorrer isoladamente ou em simultâneo, sendo a alimentação uma das causas possíveis. São situações que necessitam de avaliação médica veterinária, sendo a alimentação prescrita de acordo com a patologia identificada.


A pele:

Uma alimentação equilibrada proporciona uma pele e pelos brilhantes e suaves. As unhas e os cascos apresentam-se uniformes, resistentes e elásticos. A pele, os pelos, as unhas ou os cascos secos, quebradiços e baços, poderão resultar de uma alimentação inadequada. Nestas situações, a escolha de uma dieta específica para pele sensível poderá corrigir estas alterações. A mudança de alimentação deve fazer-se de forma gradual, permitindo a adaptação do animal à nova dieta.

O prurido (comichão) e a dermatite (inflamação da pele) são manifestações cuja origem poderá ser alimentar. Nestes casos, procure ajuda de um médico veterinário, pois será necessário uma investigação clínica. As alterações e as suplementações alimentares são geralmente um dos componentes da terapêutica.

 

As alterações do comportamento:

A ingestão de substâncias que não são alimentos é uma alteração do comportamento, que em determinadas fases da vida dos animais é considerada aceitável. A coprofagia (ingestão de fezes) em determinadas circunstâncias é considerada normal, no entanto, desequilíbrios na alimentação poderão estar na origem deste comportamento.


É importante avaliar o regime alimentar do seu animal, verificar que este é adequado em qualidade e quantidade para a sua idade, raça e situação fisiológica.

Maria João Baldaia
BichosCare

EsmeraldAzul – para uma vida saudável, consciente e sustentável


0 comentários

Entrar

Deixe o seu comentário

em resposta a