Animais e companhia Maria João Baldaia

Abeberar consciente

A água é um dos fatores essenciais à vida. É um componente obrigatório da alimentação dos animais.

Dar água não é apenas assegurar a sua disponibilidade, é e pode ser muito mais do que isso, pode ser um gesto consciente e informado.

O consumo de água deve levar em conta dois aspetos fundamentais, a qualidade e a quantidade.

A qualidade da água é algo de muito vasto, que integra vários parâmetros, nomeadamente as características organolépticas (ex.: sabor), a qualidade microbiológica (ex.: bactérias, parasitas), as características físico-quimicas (ex.: pH, conteúdo mineral) e a toxicidade (ex.: teor de metais pesados).

Na perspetiva de quem cuida de um animal, importa considerar alguns aspetos muito simples da qualidade da água:
1.    Administrar apenas água potável;
2.    Escolher recipientes resistentes e inertes, ou seja, de preferência de inox ou de porcelana, e evitar os de plástico. O plástico degrada-se com o tempo, comprometendo a qualidade microbiológica da água do bebedouro, pois as pequenas fissuras que vão aparecendo na superfície do plástico, favorecem a acumulação de matéria orgânica e de bactérias, tornado mais difícil assegurar a higienização correta do bebedouro. Mas não só, o plástico liberta substâncias tóxicas com implicações negativas na saúde, quer em humanos, quer nas outras espécies animais.
3.    Trocar a água diariamente, devendo a frequência ajustar-se ao nosso animal.
Por exemplo, existem cavalos que defecam na água, obrigando a que o bebedouro seja vigiado e a água trocada sempre que necessário;
4.    Na limpeza diária do bebedouro utilizar apenas detergentes adequados à nossa louça, de preferência amigos do ambiente. Não utilizar produtos de limpeza do chão ou da casa de banho!
Enxaguar muito bem.  
5.    A água tratada com cloro. O tratamento da água com o cloro tem o objetivo de melhorar a sua qualidade microbiológica, no entanto este método não é isento de riscos, assim e se possível, evite-a ou em alternativa, filtre a água tratada com cloro.

Em animais saudáveis, a quantidade de água ingerida varia com a espécie (ex.: um cavalo adulto ingere diariamente entre 15 a 35 l de água, um hamster adulto bebe cerca de 8 a 10 ml); idade, peso e estado fisiológico; alimentação (ex.: um cão que coma ração seca granulada vai ingerir mais água, caso coma alimentos húmidos, ou seja, patês, o mesmo animal irá necessitar de menor quantidade de água disponível no bebedouro); nível de exercício; e temperatura ambiente.
Para assegurar aos animais água em quantidade adequada às suas necessidades diárias, estes deverão ter água sempre disponível, ou seja, num regime ad libitum.

EsmeraldAzul – para uma vida saudável, consciente e sustentável



0 comentários

Entrar

Deixe o seu comentário

em resposta a