Alimentação saudável Daniela Seabra

Água da torneira, da garrafa ou filtros de água – qual a melhor opção para a sua saúde?

Água: a melhor forma de hidratação , e um bem cada vez mais precioso. Apesar de em alguns países a escolha se fazer apenas entre água potável ou não potável, para outros a escolha já é mais seletiva.

Nos países onde a água potável é um dado adquirido para a grande maioria da população, a discussão centra-se na eleição da melhor água para a saúde: água engarrafa, água da torneira ou água filtrada? E dentro das águas filtradas, qual a melhor opção? A discussão não é nova e as opiniões dividem-se.

Cada uma das opções tem vantagens e desvantagens.
Vamos saber para poder escolher de forma mais consciente.


Água da torneira

A qualidade da água da torneira varia de cidade para cidade e de país para país, mas a segurança microbiológica e níveis controlados de diferentes compostos tóxicos é uma garantia. As entidades e organismos responsáveis pela qualidade da água entregue em nossas casas fazem um controlo regular, garantido estas características.

Por outro lado, os compostos usados para garantir esta segurança microbiológica é alvo de controvérsia - falamos em especial do cloro. As entidades reguladores garantem que as doses usadas estão dentro das doses consideradas seguras. Mas quer relativamente aos diferentes compostos contidos na água, quer relativamente ao cloro, a dose segura para umas pessoas pode não ser a dose segura para outras.


Água engarrafada

Quando falamos de água engarrafada temos que diferenciar entre as embaladas em garrafas de plástico e as embaladas em garrafas de vidro. No caso das embalagens de plástico, a produção de resíduos é um grave problema ambiental (como pode ver aqui), mas também pode revelar-se um importante problema de saúde publica. Os plásticos podem conter na sua composição diferentes compostos  capazes de migrar para a água, e alguns deles com capacidade de disrupção hormonal. Um disruptor hormonal é uma molécula que nosso organismo vai "perturbar” o funcionamento de algumas das nossas hormonas, impedindo a sua função normal. O exemplo mais conhecido é o bisfenol A, cujas capacidades de perturbar o funcionamento dos estrogénios está cientificamente bem validada: infertilidade e obesidade (em especial nas coxas) são as consequências mais comuns. A migração destes compostos aumenta com temperaturas mais altas. Consegue ter a certeza que a água engarrafada em plástico que está a consumir foi protegida de todas as fontes de calor até chegar às suas mãos? Ou será que esteve armazenada ao sol?

No caso das embalagens de vidro, os problemas com os disruptores endócrinos já não se colocam, e se usarmos vidro reciclado (e depois de usar voltarmos a reciclar), os riscos ambientais estão também mais reduzidos. As desvantagens são apenas o peso e a maior fragilidade da carga. Para contornar estes problemas, algumas empresas já criaram garrafas com vidros mais leves e mais resistentes, enquanto outras criaram embalagens protetoras que envolvem a garrafa, evitando que parta.


Água filtrada

Esta é sem dúvida uma opção amiga do ambiente,  e cada vez mais usadas por diferentes famílias. Atualmente já há diferentes filtros à venda, com diferentes característica e também com diferentes preços. Os filtros mais comuns garantem retirar diferentes compostos que tenham passado ao controlo de qualidade das entidades competentes, e oferecem níveis ainda mais reduzidos de diferentes compostos considerados tóxicos (desde diferentes metais pesados, até ao próprio cloro usado), sendo opções relativamente acessíveis. Os filtros por osmose são ainda mais eficazes nesta remoção, mas são mais caros e bem maiores.

A grande desvantagem no uso dos filtros é que na remoção de compostos tóxicos remove também diferente minerais que o nosso organismo necessita. Se usa água filtrada tenha o cuidado de ingerir bastantes legumes e frutas (ricos em diferentes minerais) para compensar!


EsmeraldAzul – para uma vida saudável, consciente e sustentável.




0 comentários

Entrar

Deixe o seu comentário

em resposta a