Eu saudável Núcleo de Medicina

Bebidas Açucaradas ligadas a maior risco de depressão

Consumir bebidas açucaradas e principalmente as bebidas "light” ou "diet” está associado a maior risco de depressão, enquanto bebidas como o café diminuem esse risco.

Estas são algumas das conclusões de uma investigação que foram apresentadas no 65º Encontro anual da Academia Americana de Neurologia.

Os investigadores de uma instituição da Carolina do Norte referiram na imprensa que é necessário ter atenção ao facto de bebidas como refrigerantes, café e chá poderem ter importantes impactos na saúde mental.

Entre 1995 e 1996 foi avaliado o consumo de bebidas (refrigerantes, chá, café e sumos açucarados) de mais de 260 mil pessoas com idades entre os 50 e 71 anos. Mais de uma década depois, os investigadores foram avaliar os mesmos indivíduos e averiguaram a prevalência de diagnósticos de depressão.

Foram registados mais de 11 mil caso de depressão. Ao fazer cruzamento de dados chegaram à conclusão de que quem bebia 4 refrigerantes/sumos açucarados por dia tinha 30% maior risco de ficar deprimido.

As percentagens eram maiores para sumos "light” e "diet” do que para refrigerantes e sumos açucarados.

Pelo contrário a ingestão de até 4 cafés por dia diminuiu em cerca de 10% o risco de depressão.

Seja por este facto ou pelo facto de as bebidas açucaradas aumentarem o risco de excesso de peso – diminua o consumo de refrigerantes, refrigerantes "light” e sumos açucarados, prefira água e sumos naturais!

Segundo uma notícia do site da Ordem dos Médicos, as bebidas açucaradas, como os refrigerantes, não se limitam a engordar: segundo um estudo de Harvard este tipo de bebida é mortal, e apresenta dados que relacionam, a nível mundial, as bebidas açucaradas com 133 mil mortes por diabetes, 6 mil mortes por cancro e 44 mil mortes por doença cardiovascular.

A American Heart Association recomenda que os adultos consumam não mais de 450 calorias por semana provenientes de bebidas com açúcar.

"A Ordem dos Médicos portuguesa, por seu lado, tem vindo a pugnar, desde há muito, por convencer o Governo português a avançar com políticas públicas efectivas de promoção da Saúde, bem como com alterações de índole fiscal que influenciem a mudança de comportamentos de forma positiva, algo que parece agora ser uma tendência reconhecida a nível internacional em termos de educação para a saúde."


Esmeraldazul- para uma vida saudável, consciente e sustentável.

 


0 comentários

Entrar

Deixe o seu comentário

em resposta a