Eu saudável Daniela Seabra e Paula Costa

Depressão e Inflamação - Estados de saúde em comum

Atingir um estado de saúde óptimo pressupõe enquadrar o Ser Humano numa nova realidade social e científica. Aliviar sintomas não é equivalente a tratar a doença sobretudo quando são múltiplas causas a produzirem a mesma sintomatologia.

A depressão tem sido vista exclusivamente como uma patologia psiquiátrica mas estudos científicos apontam para a possibilidade de ser uma doença com base inflamatória e capaz de desencadear processos inflamatórios. Investigadores observaram que citocinas inflamatórias, quando cronicamente elevadas, produzem sintomas psiquiátricos e neurológicos característicos da depressão.

Comecemos por esclarecer que existem diferentes graus de inflamação, e que nem toda a inflamação está claramente associada a calor, rubor e dor, existindo inclusive a chamada inflamação silenciosa que ao longo dos anos vai induzindo diferentes alterações metabólicas que podem culminar em diversos diagnósticos.
 
Aparentemente, a depressão poderá ser mais uma das situações que se está a associar a inflamação.

Esta relação tem início quando começaram a verificar que um grande número de indivíduos apresentavam sintomas depressivos depois de efectuarem tratamentos imunomoduladores. Algumas mentes mais curiosas decidiram explorar esta relação e começaram a perceber que alguns casos de depressão pode mesmo ser considerados patologias inflamatórias (como pode ver aqui)

Observemos no dia a dia a facilidade com que se diz que uma pessoa está triste ou deprimida pelas simples sobreposição dos comportamentos entre pessoas com depressão e pessoas doentes!

Muitas doenças incluindo diabetes, doença de Alzheimer, doença cardiovascular, doença auto-imune, alergias, asma e artrite implicam a ingestão de medicamentos que aumentam a resposta inflamatória e, por sua vez conduzem à depressão como efeito secundário (doentes com cancro, por exemplo).

A inflamação é uma resposta de protecção natural do organismo contra uma situação de doença mas provoca modificações na produção de neuro transmissores, como a serotonina, fundamental para o bem estar mental.

Causas de inflamação associadas à depressão:
  • Dieta
  • Obesidade
  • Exercício físico excessivo
  • Stress
  • Tabaco
  • Privação de sono
  • Cárie dentária e doença periodontal
  • Deficiência de Vitamina D
Pessoas continuamente deprimidas ou sujeitas a stress crónico apresentam níveis mais elevados de citosinas pró inflamatórias, (mesmo quando não é detetada outra doença), de cortisol e noradrenalina. O cortisol suprime o sistema imunológico, deixando a pessoa mais vulnerável a qualquer doença. Além disso há diminuição dos níveis de serotonina e consequente alterações do humor.

Por outro lado alguns antidepressivos reduzem a produção de citocinas pró- inflamatórias e aumentam a produção de citocinas anti inflamatórias.

Existe portanto uma relação causal entre depressão e doença inflamatória que não pode ser esquecida!

Perceber essa relação significa entender a depressão e os processos inflamatórios de forma abrangente e e abrir novas estratégias de prevenção e tratamento, nomeadamente a implementação de um estilo de vida mais anti-inflamatório (que inclui noites bem dormidas, um controlo do stress, uma alimentação mais anti-inflamatória e uma optimização da composição do microbioma ou flora intestinal).

 

EsmeraldAzul – para uma vida saudável, consciente e sustentável.


0 comentários

Entrar

Deixe o seu comentário

em resposta a