Animais e companhia Maria João Baldaia

Inflamação: como evitar o problema

A inflamação é um mecanismo fisiológico, que embora necessário, em determinadas circunstâncias torna-se um problema e não a solução!

A inflamação faz parte do mecanismo fundamental de reparação de todo o organismo, a cicatrização. É uma resposta de defesa e de adaptação, por exemplo, se uma bactéria patogénica se instalar na boca de um gato, irá desencadear uma resposta inflamatória (estomatite), com o aumento no local do número de células de defesa, prontas para impedir o avanço do agente patogénico.

A progressão da inflamação é contrariada por uma resposta endógena de "anti-inflamação”, da qual fazem parte algumas citocinas anti-inflamatórias e os glucocorticóides produzidos pelas glândulas adrenais.

Assim, a inflamação comporta-se como as duas faces de uma moeda, pois embora seja uma resposta fisiológica, não deixa de ser causa de dor, disfunção e de um conjunto de outros sintomas, que comprometem o bem-estar do animal, podendo em situações extremas provocar a sua morte.

Alguns aspetos da vida de um animal que atuam sobre a inflamação:

Alimentação

A alimentação deve favorecer o estado de saúde do animal.
A alimentação pode ser uma causa de inflamação, por exemplo, se um cão for intolerante ao trigo, a administração de uma ração com trigo poderá provocar-lhe um quadro de enterite e manifestar-se com diarreia. Assim devemos optar por uma alimentação de boa qualidade, ajustada à espécie, raça, idade e condição fisiológica, que proporcione uma boa condição corporal e que atue como um fator de proteção da saúde, evitando a ocorrência de qualquer sinal ou sintoma de doença (ex.: vómito, diarreia, dermatite, litíase urinária com cistite, etc.).

Evitar o excesso de peso

O excesso de peso está associado a um estado inflamatório inaparente e crónico. Deve ser evitado através da seleção da dieta adequada e de exercício regular.

Exercício

Favorecer o exercício regular, adequado à espécie, raça, idade e estado fisiológico. Evitar exercícios extenuantes, ou aos quais o animal não está adaptado. Tomar atenção aos pisos, por exemplo, um cão que não está habituado a exercício regular e vai correr na praia, para a areia mole, este animal tem uma probabilidade razoável de regressar a casa com uma tendinite!

Redução do stress

A ansiedade nos animais predispõe-nos para alguns problemas, tais como dermatites por lambedura.

Em caso de doença inflamatória instalada, ponderar a aplicação de suplementos alimentares nutracêuticos, tais como os ácidos gordos essenciais, os condroprotetores, entre outros.
Nos casos em que é necessário agir sobre a inflamação, adotar abordagens que promovam a regulação do mecanismo inflamatório (ex.: homeopatia).



EsmeraldAzul – para uma vida saudável, consciente e sustentável


0 comentários

Entrar

Deixe o seu comentário

em resposta a