Animais e companhia Maria João Baldaia

Poderá não ser falta de educação?



Viver em sociedade com os animais é algo de dinâmico. Os dias e as horas não são uma repetição monótona de condicionamentos previamente apreendidos, e muitas vezes dados como adquiridos ad aeternum. Tal como nós, os animais também vivem situações que lhes causam alterações das suas rotinas, estas são por vezes classificadas como "teimosia”, "mau comportamento”, "falta de educação”, "esquecimento das regras”, entre outras caracterizações.

Sempre que formos confrontados com a mudança do comportamento de um animal, importa fazer a seguinte pergunta: porqueocorreu?

Existem modificações do comportamento que resultam da resposta do animal a alterações endógenas (fisiológicas ou patológicas), assim como a exógenas (ambientais). Não são por isso causadas por problemas de educação, embora possam tornar-se num problema, razão pela qual importa reconhecê-las, para que se tomem as medidas adequadas, que permitam viver estas situações de uma forma saudável e harmoniosa.

Exemplos de alterações fisiológicas que originam alterações do comportamento:

1. O gato que atingiu a maturidade sexual, começou a urinar o sofá e os móveis da casa para marcação do território. É um comportamento normal dos gatos adultos não castrados. O animal não "esqueceu” a caixa da areia, ele está a comunicar, a "divulgar” a sua presença através da sua urina.

2. A cadela que tem uma ninhada de cachorrinhos e se torna agressiva com os membros da casa, pessoas e animais. Esta mudança de comportamento é instintiva, é para proteção das suas crias, há que respeitar e permitir que esta tenha um ambiente calmo e sossegado.

Exemplos de patologias que originam alterações do comportamento:

1. A cadela adulta que sempre foi asseada e um dia começou a urinar em casa. Esta alteração pode ser um sintoma de doença, como por exemplo, de uma infeção urinária, de diabetes, ou de uma doença degenerativa neurológica, entre outras. Nestes casos, retomar os bons hábitos de asseio só é possível com o tratamento destas patologias.

2. O animal adulto que se torna "preguiçoso” e agressivo. Poderá estar a ocorrer uma patologia que lhe cause dor, como por exemplo uma hérnia discal que é dolorosa e limitante, causando redução da atividade física do animal e tornando-o relutante a mover-se.

Exemplos de alterações ambientais que originam alterações do comportamento:

1. O cão adulto que recomeça a roer objetos quando chega um bebé a casa. Esta regressão no comportamento é consequência da chegada do novo membro ao grupo, que desencadeia competição, nomeadamente pelos brinquedos que não são seus!

2. O cão adulto que volta a urinar dentro de casa quando chega um cachorro pequenino. Este comportamento é normal, o animal mais velho irá urinar em cima da urina do mais jovem, mesmo que seja no meio da sala, não porque perdeu a educação, mas porque é uma manifestação de dominância.

A compreensão das circunstâncias em que ocorrem as alterações do comportamento permite-nos entender o porquê das mudanças, ajudando-nos a intervir de forma consciente e ajustada, promovendo o equilíbrio das nossas vidas e de quem depende de nós.

Esmeraldazul, para uma vida saudável, consciente e sustentável!


0 comentários

Entrar

Deixe o seu comentário

em resposta a