Terapias Complementares Filomena Vieira

Quando comer couves e alfaces?

Sempre, mas biológicas!

Quem gosta de comer comida saudável, isto é comida constituída por produtos que o nosso corpo reconhece como alimento, não dispensa as couves e alfaces.
É claro que estas verduras são melhores se produzidas pela agricultura biológica (saiba mais).

Herbicidas, pesticidas e a poluição atmosférica (saiba mais) já causaram e continuam a causar, muitos estragos e alguns são irreversíveis.

A adaptação do corpo humano tendo em vista a sobrevivência, tem sido demasiado rápida e pagamos caro, com a qualidade da nossa saúde.

O nosso ADN que levou milhões de anos a ser formado e que actualmente está a ser agredido continuadamente tendo como consequência o aumento de casos de cancro, doenças auto-imunes e degenerativas.

O impacto das toxinas ambientais consegue modificar a expressão dos nossos genes e desencadear problemas de saúde subtis, como por exemplo, os ftalatos e bisfenol A, parabenos, químicos constituintes de plásticos, cosméticos e tintas, que se espalham pela natureza, podem actuar como disruptores endócrinos e interferir com a fertilidade, causar cancro da mama e próstata.

As couves consideradas um super alimento (saiba mais)  podem ajudar a reprogramar o nosso ADN. Não é ficção científica. A Epigenética é uma ciência que estuda secções específicas do ADN que "dizem” aos genes quando e como se devem expressar. Os constituintes fitoquímicos da couves têm  capacidade de "restaurar” estas funções do ADN.

As escolhas diárias sobre o que comemos ou estilos de vida que adoptamos têm um efeito profundo na actividade dos nossos genes.

Devemos comer couves e alfaces próprias da época e produzidas em hortas próximas do nosso local de residência ou no nosso quintal.

Sabe porque os lisboetas são conhecidos por "alfacinhas”? Diz a lenda que durante os cercos prolongados, nas guerras com os mouros, as alfaces como eram muito abundantes na região, ajudaram na sobrevivência dos lisboetas!


EsmeraldAzul – para uma vida saudável, consciente e sustentável. 


0 comentários

Entrar

Deixe o seu comentário

em resposta a