Eu saudável Daniela Seabra

Sabe o que significa um adequado aporte nutricional?

Já todos ouvimos falar sobre a importância de um adequado aporte nutricional para uma saúde ótima – mas será que sabemos realmente o que isso significa?

Comecemos por imaginar o nosso organismo como uma grande fábrica de produção, com diferentes máquinas, e que transforma matérias primas em diferentes produtos.

Para um adequado funcionamento desta fábrica, é necessário o fornecimento diário de diferentes matérias primas, e de pequenas peças fundamentais para o funcionamento destas máquinas a que chamamos enzimas.

Sem estas pequenas peças (na sua maioria vitaminas, minerais e oligoelementos), estas enzimas não conseguem funcionar adequadamente – temos as máquinas (enzimas), mas não temos a chave de ignição (micronutrientes).

Quando temos um aporte nutricional ótimo, o nosso metabolismo pode funcionar em plenitude, pois tem todo o material para o fazer. Dada a elevada capacidade de adaptação do nosso organismo, conseguimos de certa forma ultrapassar pequenas falhas temporárias, recorrendo a reservas armazenadas, ativando outras máquinas menos usadas, ou mesmo diminuindo a necessidade do produto que estamos a ser incapazes de produzir naquele momento. Quando estas falhas no aporte nutricional se vão tornando cada vez mais regulares é que os problemas começam a aparecer.

Vejamos um exemplo: o magnésio é necessário para o funcionamento de cerca de 300 enzimas. Se o seu aporte de magnésio foi mais baixo do que as suas necessidades, algumas destas enzimas não vão ser capazes de funcionar adequadamente. Dependendo do individuo, podemos ter diferentes sintomas, que vão desde dificuldade em adormecer, irritabilidade, enxaquecas, aumento da tensão arterial ou mesmo obstipação.

Mas poderá uma alimentação saudável e variada, de uma forma geral, dar-nos todos os nutrientes necessários? Depende..

Qualidade nutricional do alimento:

O teor nutricional de um alimento depende de muitos factores, nomeadamente das características do solo, da temperatura em que cresceu, e do estado de maturação (entre outras variáveis). Um alimento proveniente de um solo pobre, e/ou que foi enriquecido com adubos químicos, dependendo da composição deste adubo, pode não ter todos os nutrientes que a mesma planta cultivada num terreno verdadeiramente fértil teria. Uma fruta colhida ainda verde, transportada durante horas/ dias e conservada durante vários meses em câmaras frigorificas não terá o mesmo teor nutricional que uma fruta colhida no seu estado ideal de maturação e consumida logo após a colheita.

Os cereais que consumimos já foram quase todos refinados, onde as suas cascas e gérmen repletos de micronutrientes foram descartados. As perdas nutricionais sofridas pelos diferentes alimentos ao longo dos anos já são tema para diferentes artigos, como este, este ou este.


Necessidades nutricionais acrescidas

As doses de micronutrientes aconselhadas estão pensadas para indivíduos saudáveis. E os indivíduos com necessidades nutricionais acrescidas? Crianças, grávidas e desportistas são os normalmente considerados, mas poucos são os que incluem os indivíduos sujeitos a stress crónico prolongado, os que têm doenças crónicas inflamatórias, ou mesmo os que têm alterações gastrointestinais como fezes desfeitas.

Algumas dessas necessidade nutricionais acrescidas podem dever-se a poliformismos genéticos – características genéticas que podem fazer com que algumas das nossas enzimas sejam mais "preguiçosas”, e necessitem de doses maiores de determinadas vitaminas e minerais para conseguirem funcionar adequadamente.

O ambiente em que vivemos também não ajuda. Diariamente, as nossas vias de desintoxicação criadas para eliminar os restos do metabolismo e algumas toxinas externas são obrigadas a lidar com as centenas ou milhares de químicos que diariamente podem entrar no nosso sistema. Este trabalho extra das nossas vias de desintoxicação vai desgastando as nossas reservas nutricionais de micronutrientes e de outros nutrientes fundamentais para a eliminação destes compostos.

Se é aparentemente saudável, mas mesmo assim tem algumas queixas, sente falta de energia, sente que o seu rendimento cerebral já não é o mesmo, e não sente a vitalidade, algo poderá estar a falhar: experimente baixar o seu aporte tóxico, optar por alimentos biológicos (evitando os açucares e os produtos refinados), controlar o stress, dormir as horas de sono necessárias e se essa falta de energia, vitalidade e queixas ainda se mantiverem, está na altura de procurar apoio profissional.


EsmeraldAzul – para uma vida saudável, consciente e sustentável.
 

0 comentários

Entrar

Deixe o seu comentário

em resposta a