Aprender sempre! Daniela Seabra

Saiba o que pode fazer para prevenir a doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer atinge milhões de pessoas, e segundo diferentes especialistas pode aumentar mais nos próximos anos.

Considerada uma doença neurodegenerativa, e a principal causa de demência nos indivíduos com mais de 65 anos, caracteriza-se pela morte de neurónios em determinadas partes do cérebro, e com a acumulação de placas (de proteina beta-amilóde), que condicionam uma deterioração global, progressiva e irreversível de diversas funções cognitivas.

Os sintomas da doença vão-se agravando à medida que a comunicação entre as células cerebrais se vai alterando e à medida que estas vão morrendo.

Mas sabia que cerca de metade dos casos de doença podem ser prevenidos através da melhoria de determinados factores de risco?

Vamos saber como.

Mudança de estilo de vida

Para muitos casos de Alzheimer, a alteração dos hábitos alimentares e de outros factores do estilo de vida, pode ser suficiente para evitar esta doença.

As evidências mais fortes dizem respeito à associação entre a obesidade, diabetes, resistência à insulina e a doença de Alzheimer, indicando que os diabéticos têm o dobro da probabilidade de desenvolver esta doença (saiba mais). Assim sendo, controlar o seu peso, controlar a ingestão de hidratos de carbono, a prática regular de exercício físico, e outras medidas que controlem o peso e optimizem a função da insulina (como a suplementação em crómio), é algo que pode começar a fazer desde já.

Níveis elevados de tensão arterial estão também associados a um aumento de risco de doença de Alzheimer, pelo que reduzir a ingestão de sal, aumentar a ingestão de magnésio, e controlar o stress são também outras medidas que pode começar a ter.

Estimulação cognitiva

A estimulação cognitiva (saiba mais aqui) através de uma avaliação qualitativa e promoção das áreas que possam estar em défice, mantém o cérebro ativo e diminui a incidência de Alzheimer.

A importância das vitaminas B

O nível plasmático de homocisteína (saiba mais) é outro fator que tem vindo a ser considerado, pois quando superiores a 14, a incidência desta doença duplica. Nesta casos, a suplementação com vitaminas do complexo B, nomeadamente vitamina B6, B12 (saiba mais) e ácido fólico (saiba mais) pode fazer toda a diferença, em especial nas pessoas que possuem um perfil genético que aumente as necessidades nutricionais de ácido fólico.

O papel da oxidação e da inflamação

Teorias mais inovadoras referem o carácter inflamatório e oxidativo da doença de Alzheimer, designando-a como uma doença inflamatória degenerativa. Desta forma podemos ainda usar abordagens anti-inflamatórias, como uma alimentação mais anti-inflamatória (saiba mais), o controlo da obesidade (saiba mais) ou suplementação nutricional especifica (como EPA, curcuma , a boswellia serrata, ou uma abordagem mais antioxidante.

Agora que já sabe a importância de fatores como o estilo de vida, a tensão arterial e o papel das vitaminas do complexo B e da homocisteína, pode começar desde já a prevenir esta doença degenerativa que atinge já milhões de pessoas em todo o mundo.

Para uma análise mais individualizada, recomendamos a avaliação e acompanhamento por técnicos de saúde especializados, que recorram a análises bioquímicas laboratoriais, de stress oxidativo e de nutrigenética, para atuarem de forma assertiva e personalizada para diminuírem o seu risco de desenvolver esta doença.


EsmeraldAzul – para uma vida saudável, consciente e sustentável

Texto já publicado na quinzena Prevenir & Tratar.


0 comentários

Entrar

Deixe o seu comentário

em resposta a