Eu e o meu corpo Daniela Seabra

Trato gastrointestinal: interior ou exterior do organismo?

Quando pensamos no nosso estômago ou no nosso intestino, imediatamente associamos ao interior do nosso organismo.

Mas na realidade, todo o nosso trato gastrointestinal (boca, esófago, estômago, intestino), apesar de estar localizado no interior do nosso organismo é na realidade uma extensão do ambiente exterior.

Ao longo deste "tubo” que nos atravessa de um lado ao outro, vamos fazendo com que o que ingerimos seja sujeito a diferentes ambientes e moléculas, fazendo os possíveis para absorver tudo o que nos interessa, e excretar tudo aquilo que não necessitamos.

Sabia que a nossa pele tem a extensão de cerca de 2 m2 (valores para peso normal) enquanto o nosso intestino tem uma extensão de cerca de 200 m2, o que equivale ao tamanho aproximado de um campo de ténis?

Conseguimos que toda esta superfície de contato se encaixem no nosso abdómen à custa de curvas e mais curvas, vilosidades e mais vilosidades, em especial a nível do intestino, tudo com o objetivo de maximizar esta mesma superfície de contato com o nosso interior, ocupando o menor espaço possível – ou seja, a nossa barriga.

Com uma área de contato tão grande com o exterior não é de estranhar que cerca de 70% do nosso sistema imune esteja localizado no trato gastrointestinal, em especial no intestino delgado. Diariamente, este nosso sistema imune gastrointestinal está em contato com inúmeros alimentos, compostos químicos artificiais contidos nos alimentos, e com milhões de microrganismos pertencentes à flora intestinal, assim como com os compostos produzidos por eles.


Quando a flora intestinal presente no organismo é constituída por bactérias e fungos "amigos” do nosso organismo, a relação existente é extremamente benéfica para nós.

Esta flora intestinal ajuda o nosso sistema imune a desenvolver-se adequadamente, ao mesmo tempo que impede que ele reaja de forma exageradamente contra moléculas inofensivas. Além disso, um dos produtos finais produzidos por esta flora intestinal são algumas das vitaminas do complexo B e a vitamina K, que absorvemos e utilizamos, ou são os chamados ácidos gordos de cadeia curta que servem de alimento e protegem as células da parede intestinal. Trata-se de uma relação simbiótica que mantém a nossa saúde.

Infelizmente, esta flora intestinal benéfica nem sempre está presente no intestino de um grande número de pessoas. Em vez de microorganismos benéficos podem crescer microorganismos que "irritam” o nosso sistema imunitário presente no intestino.

Esta ativação do sistema imune tem diferentes graus, dependendo do tipo de microorganismo que está a habitar o trato gastrointestinal, e pode ter diferentes consequências:
  • Pode fazer com que se libertem diferentes moléculas inflamatórias (que podem contribuir para uma inflamação silenciosa – podem facilitar diferentes alergias e sensibilidades alimentares;

  • Podem induzir a ativação de outros "locais de concentração de células imunes”;

  • Pode comprometer a digestão e a absorção de nutrientes;

  • Além disso, a ausência de bactérias benéficas diminui a produção de vitaminas do complexo B, e a presença de outros microorganismos pode levar à produção de compostos prejudiciais à nossa saúde, incluindo alguns com efeito neurotóxico.

Cuidar do nosso trato gastrointestinal através de uma alimentação adequada e rica em probióticos (bactérias benéficas) é assim uma medida fundamental de optimização de saúde e de prevenção de doença.

EsmeraldAzul – para uma vida saudável, consciente e sustentável.


0 comentários

Entrar

Deixe o seu comentário

em resposta a